Google+ Followers

domingo, 8 de maio de 2016

O QUE FAZER EM LISBOA? HÁ MUITO O QUE FAZER!!!


Ao me deparar com esta indagação só  restou uma atitude, lápis e papel na mão, seguindo a regra básica do custo zero, de preferência, consegui montar esta lista, digamos assim, inicial do que se fazer em Lisboa, numa boa!

PRAÇAS:

Para se conhecer caminhando, tranquilamente:

ROSSIO, se não veio  ao Rossio você não veio a Lisboa, podes crer.




É o  coração da cidade.  Entre outras atrações, é  daqui que sai o trem para a região serrana de Sintra, onde tem o Palacio da Pena, da charmosa Estação do Rossio.

Tem um dos botequins mais antigos de Lisboa, A TENDINHA,  em funcionamento permanente desde 1840.


PRAÇA DOS RESTAURADORES:

Ligação direta com o Rossio tendo sido inaugurada recentemente a Fábrica de Pastéis de  Nata.


É o início da famosa Avenida da Liberdade


PRAÇA DA FIGUEIRA

Na alta temporada é quase impossivel não ter algum tipo de evento cultural, gastronômico, musical aqui ou no Rossio, ou, ainda, nas duas praças que também são interligadas.
Daqui saem o elétrico ( bonde ) para Belém e um auto-carro ( ônibus ), para o Castelo de São Jorge. Aliás, é o transporte público que chega mais próximo do Castelo, exatamente à sua entrada.


PRAÇA MARTIM MONIZ

Também com ligação direta com as anteriores, região originalmente ocupada pelos Mouros com amplo comércio de produtos a preços muito baratos, muito parecido com a região do SAARA, no Rio de janeiro.


PRAÇA DO COMÉRCIO:

Ponto de partida e chegada de grandes eventos a centenas de anos atrás, com ancoradouro histórico à beira do Rio Tejo. É cartão postal de Lisboa, é monumental.


PRAÇA MARQUÊS DE POMBAL

É a ponta de cima da Avenida da Liberdade que liga este importante ponto turístico a parte de baixo, na Praça dos Restauradores.

Além de grandiosa, composta de diversos edifícios emblemáticos como o da TAP e do nosso BANCO DO BRASIL, dá início ao magnífico PARQUE EDUARDO VII, da Inglaterra.

Grandiosa, majestosa, imperdivel!

Cartão-Postal de Lisboa


MIRADOUROS E VISTAS:

O melhor para mim é o  MIRADOURO SÂO PEDRO DE ALCÂNTARA, vista deslumbrante do Tejo, dos telhados de Lisboa e a melhor vista do Castelo de São Jorge.

Bem próximo da cidade alta, onde a noite de Lisboa vai longe.


MIRADOURO SANTA LUZIA:

Na subida para o Castelo, via elétrico ( bonde ) ou auto-carro ( micro-ônibus ) a parada neste Miradouro é obrigatória. Vista deslumbrante do Caís de Lisboa.


CASTELO DE SÃO JORGE

É como ir no Rio de janeiro e não conhecer o CRISTO REDENTOR, ir a Roma e não ver o Papa,, é  ir a Paris e não subir a Torre Eiffel.   É por aí...


ASCENSORES E ELEVADOR:


ELEVADOR SANTA JUSTA:

Cartão  postal de Lisboa, dispensa qualquer referência.


ASCENSOR DA BICA:

É um tipo de elétrico ( bonde ) que liga a parte baixa a parte alta da cidade em formato de  plano inclinado,  via trilhos que, para mim, é o mais charmoso. O trajeto é superrápido e sai  dos fundos do Mercado da Ribeira e chega próximo a Praça Luis de Camões, na Alta.


ASCENSOR DA LAVRA:

Sai da Calçada de Santo Antão, na parte baixa e leva até um Miradouro bem interessante e localizado, com ótima vista do centro histórico.


ASCENSOR DA GLORIA:

É o mais movimentado, pela sua localização e destino. Sai da Praça dos Restauradores e vai até o Miradouro São Pedro de Alcântara.


EDIFÍCIO POLUX:

São  vários andares de uma loja de fábrica da tradicional marca POLUX com todo tipo de artigos de porcelana, entre outros.  No último andar funciona o setor de flores ornamentais e tem um café com vista privilegiada.  Vale muito à pena um passeio até lá.  Fica bem no centro na Rua  Santa Justa, na outra extremidade da Rua onde se acessa o Elevador do mesmo nome.


ELEVADORES DE ACESSO AO CASTELO DE SÃO JORGE:

È possivel chegar-se até bem próximo do Castelo usando elevadores que saem da loja de  Informações Turísticas da Freguesia ali do  centro até uma praça, depois irei pesquisar para fornecer o nome. Chegando nesta praça, do outro lado tem uma loja do PINGO DOCE e, dentro dele tem outro elevador que sobe mais  uns cinco andares e chega próximo do Castelo.

Bom, já está bem tarde aqui por Lisboa e vou deixar um gostinho de  "quero mais"...


Na próxima postagem continuarei dando dicas interessantes do que se fazer, andando, passeando, " de grátis", por Lisboa.

Boa noite e até a próxima postagem!


Ugo Esteves





quarta-feira, 4 de maio de 2016

PONTO FINAL, CARTEIRA NA MÃO

Finalmente, depois de dedicar todos os meus esforços desde novembro de 2015,  recebi a tão desejada carteira de Residente Permanente de Portugal.

A carteira e provisória, tem validade de um ano a contar da data que dei entrada na solicitação já aqui em Portugal.

Em 19 de abril de 2017 tenho que solicitar a renovação da carteira, vejam bem, solicitar a renovação da carteira porque o visto já está concedido.

Serão três renovações  para que oServiço de Imigração Português possa verificar se a pessoa está atendendo algumas exigências necessárias a manutenção do visto como, por exemplo, a permanência em território português por, no mínimo, seis meses a cada período de um ano.

Mas falando ainda sobre a carteira. Terei que renova-la ao completar um ano da data de emissão e terá validade de dois anos. Ao final destes dois anos terei que fazer nova renovação por mais dois anos quando, então, poderei solicitar a minha cidadania portuguesa, se  assim o desejar.

Portanto, após cinco anos corridos com o Visto de Residente Permanente para Reformados válido, obtenho automaticamente o direito de solicitar a Cidadania.

Um detalhe importante que só fiquei sabendo ao receber a carteira. Eu tinha recebido a informação e passado para voces que está categoria de visto não permite trabalhar mas na própria carteira, no verso, vem a seguinte observação:

PERMITE O EXERCÍCIO DE ATIVIDADE PROFISSIONAL.

Depois que me recuperar da emoção de ter alcançado o objetivo tao almejado vou preparar uma série de posts atualizando todas as informações sobre cada fase do processo, em detalhes, desde o primeiro momento até a conquista alcançada hoje.

Até a próxima postagem e um grande abraço.

Ugo Esteves